Eleições

‘Se Bolsonaro ganhar, choro e saio da política’, diz Ciro Gomes

Além das críticas ao PT e à polêmica candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele comentou o envolvimento do Exército na política e aumentou o tom contra os militares.

O candidato do PDT, Ciro Gomes, participou nesta quarta-feira de sabatina promovida pelos jornais O GLOBO e “Valor Econômico” e pela revista “Época”. Além das críticas ao PT e à polêmica candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele comentou o envolvimento do Exército na política e aumentou o tom contra os militares. “No meu governo, militar não pode falar de política”.

Ao falar de economia, ele sustentou que, caso eleito, o Banco Central continuará perseguindo metas de inflação e emprego. Ao final da entrevista, que durou duas horas, Ciro prometeu “sair da política” caso Jair Bolsonaro (PSL) seja eleitor presidente.

– Vou desejar boa sorte a ele, cumprimentá-lo pelo privilégio e depois vou chorar. Eu saio da política. A minha razão de estar na política é confiar no povo brasileiro.

Sobre a polêmica do registro de candidatura do PT, para Ciro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu sua percepção da realidade porque está isolado na prisão e cercado de puxa-sacos. “O Brasil não agüenta outra Dilma nesse sentido de um pessoa assumir porque é indicada pelo Lula. Não podemos ter outro presidente por procuração”.

– O Lula a gente tem que relativizar, porque ele está isolado. E, agora, o Lula está com um problema, porque morreram o Márcio Thomaz Bastos (ex-ministro da Justiça), o Luiz Gushiken (ex-ministro da Comunicação Social), está sem José Dirceu…, perdeu dona Marisa (Letícia). Hoje o Lula está cercado de puxa-saco e perdeu um pouco da visão genial que ele tem da realidade. Se ele estivesse solto, não teria permitido uma série de desatinos que estão sendo promovidos – disse.

Ciro explicou por que acha que é diferente de Fernando Haddad (PT). De acordo com ele, o petista não conhece o país. De olho nos votos de centro, ele afirmou que é “um pouco mais largo” do que Haddad.

– A proposta que tenho fala com a centro-esquerda.

Embora já tenha dito que Lula foi condenado sem provas, ele negou que daria indulto ao ex-presidente caso fosse eleito.

– Isso é só intriga.

Ciro afirmou que não visitou Lula na prisão, em Curitiba, porque primeiro não foi autorizado pela juíza de execuções penais e, depois, não foi incluído na lista feita pelo ex-presidente.

– Eu não iria por razão política, iria, por razão humanitária – disse ele.

Exército e Cadelas no Cio

Ao falar de sobre um tema caro a Jair Bolsonaro (PSL), Ciro diz que no seu governo, militar não pode falar de política. Quer as Forças Armadas altivas. Mas ele será o chefe. E ainda sobrou para o vice de Bolsonaro: “um jumento de carga”, disse sobre o general Mourão.

Sobre a declaração do Comandante Villas Boas que próximo presidente pode não ter legitimidade, Ciro foi ainda mais ácido.

– Estaria demitido e provavelmente pegaria uma “cana”. Mas deixa eu explicar, ele está fazendo isso para tentar calar a voz das “cadelas no cio” que embaixo dele estão se animando com essa barulheira. Esse lado fascista da sociedade brasileira. Esse general Mourão, que é um jumento de carga, tem uma entrada no Exército e agora se considera tutor da nação. Os brasileiros têm que deixar muito claro que quem manda no país é o povo.

Durante a sabatina do GLOBO, o candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, falou sobre a relação que pretende ter com os militares caso seja eleito:

– Sob ordens da Constituição eu mando e eles obedecem. Não quero eles envolvidos em negócio de narcotráfico. Isso é invenção de norte americano. Eu os quero altivos, bem remunerados, mas no meu governo o Exército não fala em política.

O candidato do PDT seguiu um discurso já adotado por Geraldo Alckmin (PSDB) de que os seis primeiros meses de governo são fundamentais para implementar medidas significativas.

– Todos os presidentes se elegeram com minoria no Congresso e tiveram poderes imperiais nos seis primeiros meses. Portanto, o tempo da reforma são os seis primeiros meses. Manter a energia política viva, chamar empresários, trabalhadores, não quebrar contratos, achar o consenso – enumerou Ciro.

O candidato disse ainda que não pretende usar as Forças Armadas no combate ao tráfico de armas e drogas na fronteira do país e que é necessário criar uma nova polícia para fazer isso.

Autonomia do Banco Central

Ciro afirmou que pretende mudar as prerrogativas do Banco Central para que ele persiga uma meta da menor inflação possível e a maior geração de empregos. Hoje, o BC tem apenas uma meta de inflação como guia da política monetária.

– O Banco Central terá duplo comando. Para ter a menor inflação e o maior emprego. E o Banco Central será subordinado a mim – para a instituição.

Apesar de criticar a políticas econômica adotada pelo governo Michel Temer, ela disse que o atual presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, tem atuado corretamente à frente da instituição.

Ciro afirmou ainda que fará uma redução de pelo menos 15% das desonerações fiscais concedidas a vários setores produtivos e que geram uma renúncia fiscal de aproximadamente R$ 354 bilhões. E, questionado sobre qual setor, poderá sofrer com essa decisão, apontou que o setor automobilístico é um deles.

– Qual o sentido de estimular o consumo de automóveis no Brasil com renúncia fiscal — disse Ciro, acrescentando que as montadoras estão com a produção parada e o argumento de manutenção de emprego não serve nesse caso.

Vice de Lula

Logo no começo da entrevista, Ciro revelou que depois que sua candidatura já estava homologada pelo PDT, a ex-presidente Dilma Rousseff (PT-MG) e o senador Roberto Requião (MDB-PR) o procuraram para que ele desistisse da disputa e aceitasse ser vice numa chapa encabeçada por Lula. O acordo previa que quando o petista preso em Curitiba fosse formalmente impedido pela Justiça Eleitoral, Ciro assumiria a candidatura em seu lugar.

O candidato do PDT afirmou que agradeceu o convite e disse que essa não era a forma de fazer uma liderança para o país.

– O Brasil não pode viver por outorga. O Brasil não agüenta outra Dilma nesse sentido de um pessoa assumir porque é indicada pelo Lula. Não podemos ter outro presidente por procuração – disse Ciro, acrescentando que Fernando Haddad, indicado pelo ex-presidente para substitui-lo na campanha, não conhece o Brasil.

Para o candidato pedetista, esse movimento de manutenção da candidatura de Lula até o último momento, mesmo sabendo da inviabilidade, demonstra que o PT não está pensando no país.

– E o PT muitas vezes dá demonstração que só pensa em si e nesse passo é muito flagrante isso. Todos sabiam que o Lula não podia ser candidato e contraria a inteligência do povo.

Dilma destratada e SPC

Ao defender a utilização do Banco do Brasil (BB) e da Caixa Econômica Federal (CEF) para forçar a diminuição de juros e tarifas bancárias, Ciro criticou a ex-presidente Dilma, que tentou o mesmo expediente.

– Por favor, não compare minhas ideias com a Dilma que fico ofendido. O governo dela foi desastrado – disse o candidato do PDT, ressaltando que a petista é uma mulher “honrada”.

Ciro foi contra o impeachment de Dilma, ao qual se refere até hoje como “golpe”.

Para Ciro, BB e CEF atualmente fazem parte do “cartel” formado por cinco bancos. Ele propôs a regulamentação de Fintechs (bancos digitais) e a utilização de cooperativas de crédito para aumentar a concorrência no setor financeiro.

O presidenciável do PDT voltou a prometer que vai tirar 63 milhões de pessoas do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) por meio do refinanciamento dessas dívidas:

– Meus adversários, por demofobia, criticaram e agora estão imitando.

Ciro é o segundo a participar da série de entrevistas com os principais candidatos à Presidência, de acordo com as pesquisas de intenções de voto. Na terça-feira, Marina Silva (Rede) iniciou a sequência de sabatinas, que terá ainda Geraldo Alckmin (PSDB) na quinta-feira.

A sabatina foi conduzida pelos colunistas do GLOBO Miriam Leitão, Merval Pereira, Lauro Jardim, Ancelmo Gois e Bernardo Mello Franco e pela diretora de redação da revista Época, Daniela Pinheiro.

As entrevistas têm início previsto para as 10h, na sede da Redação Integrada, na Cidade Nova, no Rio de Janeiro, com transmissão ao vivo no site e Facebook do GLOBO, além de cobertura em tempo real com análises e observações de bastidores pelo Twitter.

Até o ataque sofrido na última quinta-feira, o candidato Jair Bolsonaro (PSL) ainda não havia confirmado a sua presença na sabatina. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad foi convidado após a oficialização do nome dele como candidato a presidente pelo PT, mas ele ainda não marcou uma data.

Fonte: O Globo

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close