BrasilEducação

A questão do Enem que fez Bolsonaro decidir fiscalizar a prova

O que que faz com um dialeto adquira o status de patrimônio linguístico? Este era o tema central da pergunta da prova de Linguagens do Enem, no domingo, 4, de que Jair Bolsonaro não gostou. Amanhã, 11, o Enem 2018 volta a ser aplicado, com questões sobre ciências da natureza e matemática. Ao todo, 5.513.726 estudantes estão inscritos.

Em transmissão nas redes sociais na sexta-feira, 9, ele disse que o seu governo vai querer conhecer previamente as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No domingo passado 4,1 milhões de estudantes fizeram a prova.

Jair Bolsonaro disse que quer evitar que a prova traga temas polêmicos ligados à ideologia de gênero. É que uma questão de interpretação de texto trouxe o exemplo de dialeto pajubá, um “dialeto secreto de gays e travestis”.

Confira a questão completa:

12783552 902067979905809 782968266469222131 o 1 - A questão do Enem que fez Bolsonaro decidir fiscalizar a prova

A resposta correta é a letra C nesta versão Prova Amarela. Não é necessário conhecer o vocabulário pajubá. O que o aluno deveria ter compreendido, segundo professores, é que na opinião do advogado citado no texto a existência de um dicionário, que é um objeto formal de registro. A menção a um dicionário era o indicativo principal na questão de interpretação de texto.

Mas a escolha do dialeto irritou Bolsonaro, porque, segundo ele, a questão pode obrigar  jovens a se interessar pelo dialeto:

“Essa prova do Enem, vão falar que eu estou implicando, mas pelo amor de Deus, aquela linguagem particular daquelas pessoas, o que nós temos a ver com isso, meu Deus do céu, vamos ver o significado daquelas palavras, é um absurdo”.

Na prova não há a tradução do dialeto. Especialistas consultados pela SUPER traduziram o texto: “E aí, mulher! Não se faça de desentendida e pague meu dinheiro, deixe de mentiras se não eu puxo teu cabelo!”

Na transmissão ao vivo, Jair Bolsonaro garantiu que terá acesso à prova antes de ela ser aplicada: “Fiquem tranquilos, não vai haver questão dessa forma o ano que vem. Vamos tomar conhecimento da prova antes. Não vai ter isso daí”. Hoje em dia, nem o presidente da República, nem o ministro da Educação têm acesso à prova.

Na transmissão ao vivo ontem, o presidente eleito começa a falar do Enem, no minuto 23.57:

Fonte: Exame

 

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close